Seu Navegador não tem suporte a esse JavaScript!
 
História do Município de Santo Expedito

HISTÓRICO DO MUNICÍPIO DE SANTO EXPEDITO

 

 

1. HISTÓRICO INICIAL:

1.1 – DADOS GERAIS:

A História do Município de Santo Expedito, remonta aos idos de 1.943, quando aqui chegaram os senhores Joaquim José dos Passos e Arthur Bispo de Oliveira, trazendo com eles várias famílias, em busca de novas perspectivas de trabalho e de melhores condições econômicas.

A região ainda era de certa maneira hostil, não obstante à proximidade dos povoados de Alfredo Marcondes e Álvares Machado. Joaquim José dos Passos e Arthur Bispo de Oliveira, foram de fato os pioneiros, os desbravadores da região onde hoje se ergue a Cidade de Santo Expedito.

1.2 – FUNDADORES

Cinco anos depois da fixação das primeiras famílias, em 1948, mais precisamente no dia 26 de abril, foi fundado o povoado de Santo Expedito, pela Companhia Colonizadora denominada  “Ciampolino e Braga”, sob a responsabilidade do dinâmico Carlos Pavanhos Braga, que nesta data já havia fincado suas raízes neste pedaço de chão do oeste do Estado de São Paulo, e com a companhia, inúmeras famílias constituídas  de pessoas humildes, mas trabalhadeiras, honradas e valentes, fizeram com que o povoado progredisse cada vez mais.

1.3 – DESENVOLVIMENTO POLITICO – ADMINISTRATIVO:

No mesmo ano em que a Companhia Colonizadora “Ciampolino & Braga” fundava Santo Expedito, foi criado o Município de Alfredo Marcondes pelo Decreto n° 233, de dezembro de 1.948. Por força desse mesmo Decreto, o povoado de Santo Expedito passou a categoria de Distrito, pertencendo a Alfredo Marcondes, fazendo parte da Comarca de Presidente Prudente.

Com elevação a Distrito, o povo de Santo Expedito, sempre ordeiro e trabalhador, continuou fazendo progredir aquele núcleo populacional, agora com mais afinco e não menos amor. Em dez anos, aquele conglomerado de casas cresceu, humanizou-se e deu condições de uma existência razoável a sua gente, com abertura de novas escolas, atendimento médico, orientação sanitária, sem contar outros inúmeros benefícios que chegaram com a evolução socioeconômica.

Em 1.958 veio a tão almejada emancipação política. Santo Expedito foi elevado a Município pela Lei n° 5.121, de 31 de dezembro de 1.958.

1.4 – DA DENOMINAÇÃO:

O nosso “Santo Expedito” que o Município ostenta, sua origem é uma incógnita! Por que Santo expedito?

Antes de denominar-se assim, o conglomerado humano ali existente chamava-se “Vila Ciampolino & Braga”. Supõe-se que, devido ao grande número de nordestinos que afluíram à região, e sendo Santo Expedito um dos Santos muito queridos no nordeste brasileiro, tenham dado o nome do referido santo, aquela Vila.

Entretanto, não passa de suposição, pois mesmo os moradores mais antigos não têm lembrança de como Santo Expedito tornou-se o padroeiro da Cidade.

2. INSTITUIÇÃO DO BRASÃO DE ARMAS DO MUNICÍPIO DE SANTO EXPEDITO:

Em 12 de Setembro de 1.962, foi sancionada pelo então Prefeito Municipal de Santo Expedito, Sr. Virgínio Cabral da Silva, a Lei Municipal n° 66, que criou o Brasão de Armas do Município de Santo Expedito, com as seguintes descrições:

logo

2.1 -  “MEMORIAL DESCRITIVO”

Escudo semítico esquartelado e bordejado de sable, encimado pela coroa mural privativa das municipalidades.

As partes de campos distintos trazem composições harmoniosamente colocadas que marcam as características da Cidade e Município de Santo Expedito.

2.2 -  “SUPORTES E DIVISAS”

DESCRIÇÕES DOS QUARTEIS=

         O primeiro de campo de prata, traz a silhueta da cabeça e pescoço cortado de um boi.

         O segundo de campo de blau, traz a figura de Ouro da Cruz sobre o mundo.

         O terceiro, como o precedente, de campo de blau, traz a figura de uma tocha acesa, de lume vermelho e ouro.

         O último, de campo de prata, traz o cornu mitológico da abundância.

         Ramos estilizados de algodão e amendoim. O primeiro frutado, e o segundo florido, são os suportes.

         No listel, em campo de prata e palavras de blau, se inscreve a divisa, FIDE ET LABORE DUCO – que significa “COM FÉ E TRABALHO VENÇO”.

2.3 -   “LITERATURA DO ESCUDO”

Os campos de prata e de blau que aparecem em seus quartéis, lembram a circunstância de que a Cidade e Município de Santo Expedito, se firmam sobre as qualidades de brandura, serenidade e realeza em que vivem seus habitantes, além de o blau lembrar o mês em que se comemora o martírio do Santo que é o Orago da Cidade, Santo, cuja origem semítica, é marcada pelo estilo do escudo.

O primeiro quartel, com a silhueta do boi e a cornucópia do quarto quartel, dizem das principais atividades da Cidade e Município, que se desenvolve graças a produtos de agricultura e pecuária.

O segundo quartel, com a cruz de ouro sobre o Mundo, lembra a fé que os descobridores da terra de Santa Cruz trouxeram em suas naus, afrontando as fúrias marítimas.

A tocha perenemente acesa, lembra o fato de que o Município tem fé no futuro e para alcançar a vitória, trabalha, donde a sua divisa: COM FÉ E TRABALHO VENÇO.

Os ramos estilizados de produtos agrícolas, se constituem em uma homenagem ao braço viril do homem do campo, que mercê de Deus, vem garantindo o desenvolvimento e a manutenção do País.

3. ESTABELECIMENTO DA BANDEIRA OFICIAL DO MUNICÍPIO DE SANTO EXPEDITO:

Em 25 de Abril de 1.970, foi sancionado pelo então Prefeito Municipal, Sr. Nilo Mazini, a Lei Municipal n° 285, que estabeleceu a Bandeira Oficial do Município de Santo Expedito.

BANDEIRA

3.1 -DESCRIÇÃO DA BANDEIRA”

Fundo em creme claro e o Brasão de Armas do Município de Santo Expedito ao fundo e em tamanho proporcional ao da Bandeira.

4. DIA DO MUNICÍPIO:

Em 11 de Maio de 1.967, foi sancionada pelo então Prefeito Municipal, Sr. Bartolomeu José dos Passos, a Lei Municipal n° 196 que instituiu a data de 26 de abril, comemorativa como o DIA DO MUNICÍPIO, data da fundação do Município.

5. PREFEITO, VICE-PREFEITO, VEREADORES E PRESIDENTES DA CÂMARA:

6. DIRETRIZES BÁSICAS:

Os dados históricos que se referem ao Município devem ser considerados muito importantes, e forçosamente, terá que ser alvo das atenções dos administradores Municipais, pois, é de grande interesse e também de utilidade cultural para a população, principalmente a estudantil que necessita dos dados e detalhes, dos aspectos passados e presentes, da comunidade a que pertence.